Segunda-feira, 11 de Dezembro, 2017
   
Tamanho do texto
Autenticar
image
Espaço DGEstE
Espaço DGEstE Quarta-feira, 04 Outubro 2017 00:00 Trabalhos dos nossos alunos, patentes no espaço de exposições da Direção Geral de Estabelecimentos Escolares (DGEstE).

Hermenegildo Capelo

hermHermenegildo Carlos de Brito Capelo nasceu em 1841 no castelo de Palmela. Era filho de um dos mais ilustres governadores de Palmela - major Félix António Gomes Capelo e de D. Guilhermina Amália de Brito Capelo. Assentou praça na marinha em 1855, terminando o curso em 1859. Em 1860 embarcou como guarda -marinha na corveta Estefânia, envolvida no transporte de tropas para a campanha militar em Angola. Em 8 de Março de 1871 combateu no ataque à Canconga, em território Guineense, distinguindo-se pelo seu valor e disciplina. Hermenegildo Capelo conservou-se três anos na estação naval de África Ocidental. Entre 1863 e 1870 viajou várias vezes entre Lisboa e África tendo sido promovido a segundo tenente em 1864. No ano de 1871 foi enviada uma expedição à Guiné da qual fazia parte Hermenegildo Capelo.

  

AS EXPLORAÇÕES DE HERMENEGILDO CAPELO

Nos últimos anos do século XIX Hermenegildo Capelo acompanhado por Roberto Ivens e Serpa Pinto, integrou uma expedição científica que tinha por objectivo a exploração dos territórios entre Angola e Moçambique e das bacias hidrográficas dos rios Zaire e Zambeze e assim concluir a Carta da África Centro-Austral. A meio do empreendimento, um desentendimento entre Hermenegildo Capelo e Serpa Pinto levou-os à sua separação, seguindo este último para uma viagem à contra costa enquanto Hermenegildo Capelo e Roberto Ivens percorreram as regiões de Benguela até às terras de Iaca, tendo delimitado os cursos dos rios Cubango, Luando e Tohicapa. O êxito da expedição ficou perpetuado no livro De Benguela às terras de Iaca. Face à necessidade de criação de um atlas geral das colónias portuguesas e de estabelecimento de ligações comerciais entre Angola e Moçambique, Capelo e Ivens regressaram a África em 1884. Estudaram primeiramente entre a costa e o planalto de Huila e depois através do interior até à região de Quelimane, em Moçambique, tendo esta expedição durado 7 meses.

 

O FIM DA CARREIRA DE HERMENEGILDO CAPELO

Hermenegildo Capelo regressou à metrópole em 1885 e foi recebido pelo rei D. Luís. Posteriormente, foi nomeado para outras missões, tais como vice-presidente do Instituto Ultramarino e ajudante-de-campo dos reis D. Luís, D. Carlos e D. Manuel II. Hermenegildo Capelo foi ministro plenipotenciário junto do Sultão de Zanzibar, organizador de uma carta geográfica da província de Angola, delegado do governo num congresso de Bruxelas e presidente da comissão de cartografia. Hermenegildo Capelo foi promovido a contra-almirante em 17 de Maio de 1902 e a vice-almirante em 18 de Janeiro de 1906. Muito dedicado ao rei D. Manuel II, acompanhou-o até à partida para o exílio, em 5 de Outubro. No dia 24 do referido mês deu por terminada a sua carreira militar.

Área reservada